Roteiros: Sul da França - parte 3: Calanques de Cassis (TUDO que você precisa saber para chegar no paraíso)



O lugar é tão precioso, tão inesquecível e...tão difícil de achar que mereceu uma postagem só para ele! Calanques de Cassis... é só olhar no Google (ou na foto acima) e você entenderá porque vale a pena passar por todo o perrengue (nem tanto, após ler esse post) pra ver isso de perto.

Para chegarmos até lá, acabamos ficando na cidade de La Destrousse, o que talvez não tenha sido a melhor escolha. Decidimos isso olhando o mapa, por proximidade, qualidade e preço dos hotéis. Cassis é uma cidade cara, então acabamos optando por uma cidade próxima. O meu "talvez" se deve ao fato de que o caminho de do hotel (Occitan) La Destrousse ser um pouco longo, além do que, a cidade era muito pequena, praticamente sem opções para comer à noite. Acho que a melhor opção teria sido ficar em Aubagne, que é uma cidade maior, mais próxima a Cassis e tem bons hotéis também. Mas por outro lado, a gerente do hotel Occitan era tão simpática e prestativa e nos deu dicas preciosas sobre a região, que valeram a pena. 
Trilha do primeiro dia
Bem, mas vamos ao motivo dessa postagem: as Calanques! Chegamos em La Destrousse por volta das 15h e queríamos aproveitar um pouco do dia ainda. Eu já havia lido vários blogs e sites sobre esse passeio e achei que seria bem fácil chegar à entrada da trilha curta para a terceira e mais bonita calanque, En Vau. Só que não... Por isso resolvi dedicar tempo para explicar a você como chegar lá da forma mais simples possível.
Todos os sites diziam que tínhamos que pega a estrada de Cassis para Marseille chamada La Gineste e parar num estacionamento que tem na estrada e pronto! Era só caminhar 50 minutos até a praia. Ocorre que não tem sinalização, a gente não encontrava o tal estacionamento e acabamos passando quilômetros da entrada da trilha. Até que paramos o carro num estacionamento onde havia uma placa que parecia ser uma sinalização de trilha e tinha indicação para EnVau, porém com tempo de 3 horas até lá. Quando estávamos quase desistindo, um senhor francês que tinha levado o seu Labrador para passear nos perguntou (em francês) onde, exatamente, queríamos ir. Meu marido, que fala muito bem o francês, entendeu toda a explicação e o senhor ainda nos guiou no carro dele (fomos seguindo) até a estrada que levaria até o tal estacionamento e nos deu todas as explicações. Só por isso conseguimos achar, porque realmente essa estrada não chama a atenção. E é uma estrada com asfalto bem precário, com subidas, descidas e curvas, conforme ele nos havia alertado. Se não soubéssemos que seria assim, talvez não achássemos que estávamos no lugar certo.
Calanque de En Vau
Finalmente começamos nossa caminhada debaixo de muito sol e chegamos ao paraíso por volta das 17:00. Como a calanque é estreita, já havia bastante sombra, mas mesmo assim ficamos extasiados e começamos a planejar o nosso retorno ao paraíso no dia seguinte. No caminho de volta, tivemos
nosso primeiro vislumbre do Cap Canaille, que é impressionante e lindo.
Cap Canaille
Tanque que marca a entrada para a estrada do estacionamento
Decidimos que não iríamos fazer a trilha que partia do porto e passava pelas 3 calanques, pois a primeira era meio sem graça e era só para barcos, sem chances de banho de mar e o percurso era longo demais, principalmente para ir e voltar. Queríamos partir do estacionamento do primeiro dia, fazer uma trilha até a segunda calanque, encontrar a trilha principal em direção à terceira e retornar pela trilha curta, que havíamos acabado de fazer. Olhamos os mapas que a gerente do nosso hotel nos deu até entendermos que havia um jeito de concretizar nossos planos.
Na manhã seguinte - já que chegamos tão cansados no dia anterior, que capotamos de sono - fizemos nossos sanduíches e organizamos a mochila pesada que meu marido gentilmente carregaria por todo aquele dia. Não há venda de nenhum tipo de alimento ou água na trilha, então você tem que se precaver. Não esqueça de passar e levar o filtro solar para reaplicar no caminho. O sol é escaldante e na praia não tem guarda-sol e há poucas sombras.
Entrada da estrada para o estacionamento
Entrada mostrando a placa para o albergue da juventude
Por volta das 8:30h pegamos a estrada em direção à Cassis e da rotatória que dá acesso à estrada La Gineste (de Cassis a Marseille), andamos 4km até a entrada que dá acesso ao estacionamento. No caminho, você verá uma placa escrita Parc National des Calanques, mas isso não ajuda. Depois você verá uma placa indicando CARPIAGNE à direita (que é um local de treinamento do exército). À esquerda, do outro lado da estrada, você verá um tanque (tipo uma caixa d'água na horizontal bem grande) verde militar e uma porteira. Entre pela porteira e siga por cerca de 3,5km no asfalto precário que eu falei acima, com curvas, subidas e descidas até chegar a um estacionamento onde há outras duas porteiras. Estacione o carro e escolha o seu caminho. Se quiser a trilha mais curta, que vai somente para a terceira calanque, siga pela porteira da direita, de quem olha para o mar. Se quiser fazer a trilha que leva até a segunda calante, de Port Pin e depois seguir até a terceira, pegue a porteira da esquerda. Foi o que fizemos. Nesse caminho, você passará pelo Albergue da Juventude.
Começo da trilha. Tá vendo um espaço entre a borda antes do mar lá no fundo? É lá que vamos chegar andando.,
Vista da trilha da Calanque de Port Pin
Seguindo o mapa e as marcações azuis da trilha, conseguimos chegar na beira da calanque e ver, lá em baixo, aquela água azul turquesa, totalmente transparente, com barquinhos dos quais se vê a sombra. É lindo demais! Você fica eufórico e emocionado e quer tirar fotos sem parar. Descemos e pudemos ver de perto aquela água, que de fato, é até mais bonita de cima. O Rômulo entrou no mar, nadou. Mas eu tinha me queimado muito nos dias anteriores e também não quis arriscar fazer o resto da caminhada molhada (sim, nós esquecemos de levar toalha!). Havia muitas famílias, com crianças pequenas e até bebês e eu me pergunto de onde vem a disposição dos europeu pra topar esse tipo de coisa?! Se sozinho já não é moleza, imagina carregando um bebê?! Meu respeito a eles!
Calanque de Port Pin
Praia de Port Pin
Voltamos ao ponto onde estávamos e seguimos a trilha em direção a En Vau e pudemos ver de cima, o que já tínhamos contemplado lá em baixo no dia anterior. Coisa linda de Deus!!! Até aqui a trilha foi suave, sem grandes dificuldades. A descida para a segunda calanque é fácil. O problema é descer para a terceira. Mas você vê tanta gente mais velha que você fazendo aquilo (havia muitos idosos), que dá até vergonha de reclamar. Ainda assim, é algo mais cansativo do que difícil.

Vista da trilha da Calanque de En Vau
Finalmente chegamos à praia - que estava cheia - e fomos procurar uma sombra para fazer nosso pic-nic. Depois de comer e descansar um pouco, entramos no mar e foi um alívio que ela estivesse gelada, depois de tanto suar. A única parte ruim, de fato, é pisar nas pedras descalço. Machuca um pouco e deixa a gente instável. Mas o banho foi excelente, revigorante! Fiquei muito satisfeita de ter enfrentado todas aquelas horas de caminhada (acho que deu umas 3h) para poder usufruir de um lugar encantador. Me senti na Tailândia!
Voltamos pela trilha curta, cerca de 1 hora e 10 minutos (no primeiro dia, levamos 50 minutos, mas o cansaço já estava grande) até o estacionamento e voltamos pro hotel.
Leia mais sobre essa viagem aqui e aqui.




Praia de En Vau





Demarcações na Trilha


Mapa da Trilha. Partindo do "P" Col de la Guardiola, saem as duas trilhas, A mais curta é a vermelha, que vai direto para En vau, Foi a que fizemos no primeiro dia. A azul, foi a nossa escolha do segundo dia.

Comentários

  1. Obrigado, acho que ajudará muito minha visita com inha esposa em maio deste ano

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que ótimo! Espero que goste da viagem. Depois volte para contar como foi. Abraços

      Excluir
  2. Obrigado, acho que ajudará muito minha visita com inha esposa em maio deste ano

    ResponderExcluir
  3. Ola, eu consigo fazer esse passeio de onibus ou trem. Como eu poderia fazer sem carro? Há passeios fechados que poderia contratar nas cidades como Aix ou Nice?
    Gratidão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Cíntia! De ônibus ou trem com certeza não, mas não sei te dizer sobre excursões. Não me pareceu haver essa possibilidade. Mas pesquise. Quem sabe vc encontra. Boa viagem!

      Excluir
  4. Olá, muito legal o seu post. Por favor, pode me ajudar com uma informação. Irei conhecer a região em Julho, quero muito conhecer essa praia, mas a aventura de 3 horas caminhando me desmotivou um pouco, pq irei com meu filho de 6 anos. Sabe me dizer se tem outra opção de chegar a praia em passeios de barco ou outro meio mais rápido? Grata pela ajuda, forte abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! Me desculpa pela demora em responder. Eu realmente tenho tido pouco tempo pro blog. Bom, se você ler o texto direitinho, vai ver que há duas opções de acesso, sendo que a primeira que fizemos, leva 50 min caminhando. Tem algumas subidas cansativas, principalmente na volta. Mas é possível fazer com uma criança ativa, que goste de andar. Havia várias lá em baixo, inclusive. Mas certamente ir de barco seria a melhor opção. Há vários passeios partindo de Cassis. Espero ter ajudado. Boa viagem!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Cheesecake PERFEITO

Receitas: Torta Gabi Yuassa (negresco com chocolate e frutas vermelhas)